EUA: Google na TV a cabo

O The Wall Street Journal revelou recentemente que a google requereu licença para atuar no segmento de TV por assinatura via serviço de internet, inicialmente em cidade do Kansas e no Missouri. Um programa piloto deve ser oferecido junto com o serviço de banda larga do Google, baseado em fibra óptica, o Google Fiber. Já atua no setor a Time Warner Cable e o serviço do Google deverá concorrer tanto com a TV a cabo quanto com os serviços via satélite (DTH) de TV paga. Se a iniciativa for aprovada pelas entidades do governo um novo player entra para disputar a distribuição de conteúdo, além de dar ao Google ainda mais espaço para explorar a receita publicitária. No estado de Iowa, a empresa mantém um centro de gerenciamento de dados que permite baixar as transmissões por satélite. Nesse centro, o Google deverá armazenar inúmeros canais de conteúdo que poderão ser adquiridos por demanda dos usuários. Aqui no Brasil já temos 22 milhões de antenas parabólicas e mais 13 milhões de serviços por assinatura (net,tva,dth), de um total de 60 milhões de domicílios com tv. Segundo Anatel, até a Copa de 14, teremos 25 milhões de serviços de assinatura, que somados aos 22 milhões de antenas parabólicas (presumindo que não haverá nenhum crescimento, o que obviamente não é verdade), chegam a quase 50 milhoes. Nosso futuro é outro. Hoje temos 60 milhões de domicílios com televisão, dos quais 13 por assinatura e 22 milhões na parabólica, o restante está na TV aberta. O que ocorre é que a TV por assinatura e a parabólica gozam de absoluta liberdade de atuação (inclusive não são obrigadas a transmitir os programas políticos e eleitorais obrigatórios, não são obrigados a atender as chamadas oficias da Radiobrás para pronunciamentos de autoridades e tambpouco estão obrigados a transportar sequer as retarnsmissoras das TVs abertas permissionadas pelo Estado, além de poder, livremente, exibir comerciais). A TV aberta, por outro lado, sobre com as inúmeras restrições na sua atuação e com a regulamentação legal que torna muito difícil e onerosa a expansão, donde resulta que a tendência é de grande concentração no setor, única maneira de enfrentar os conglomerados que estão se formando na TV por assinatura.

TWITTER: @jogodopoderpr

FACEBOOK: JP Jogo do Poder