REQUIÃO VENCEU BERNARDO FIGUEIREDO

O senador Roberto Requião não gostou de ver a imprensa nacional tirando seu mérito de ter derrubado Bernardo Figueiredo. 
Ele protestou, pelo Twitter, contra o noticiário nacional que atribui a uma revolta da base do governo a votação de quarta-feira no Senado que impediu a recondução de Bernardo Figueiredo à direção geral da ANTT. “Não foi uma revolta fisiológica, foi a razão, disse o senador, acrescentando que “a imprensa quer negar ao Senado o exercício da decência e da razão”.
De fato, apesar de uma voz isolada, Requião foi quem investiu contra a presença e a continuidade de Figueiredo na ANTT e, obviamente, se não o tivesse feito não teria havido a rejeição.
Mas é fato que a rejeição de Figueiredo deu-se também pela conjuntura que se estabeleceu  dentro do PMDB.
Além de Figueiredo, perdeu muito com o episódio o Senador Lindeberg Farias que bancava a indicação com parecer favorável e não se deu conta da conjuntura desfavorável no momento em que levou a matéria para votação, que era secreta.
A conjuntura ajudou Requião, mas é fato que o episódio não teria acontecido se não tivesse atuado para a rejeição da indicação, indo levar pessoalmente a cada um dos senadores os argumentos que tinha contra Figueiredo e batendo duro na reunião da bancada do PMDB para que votasse pela rejeição.




Leia mais:

08/03/2012

REQUIAO X BERNARDO FIGUEIREDO

Requião destaca-se no Senado

O governador Roberto Requião (PMDB) está colhendo os louros do revés do governo federal. É que o plenário do Senado rejeitou nesta quarta-feira a recondução de Bernardo Figueiredo à direção-geral da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). A recondução foi rejeitada por 36 senadores, enquanto 31 foram favoráveis e um se absteve. A rejeição à recondução de Figueiredo no comando da agência reguladora acontece em um momento de atrito entre a base aliada e o governo da presidente Dilma Rousseff, tornada pública após deputados do PMDB assinarem um manifesto em que reclamam da predominância do PT no governo. Mas quem está sendo apontado como o responável pela derrota do governo é Requião, que fez dossiê, denúncia, críticas pesadas e todo tipo de argumentação para convencer a todos que Figueiredo não poderia permanecer.

Figueiredo foi vítima da conjuntura. Dia errado, hora errada e assunto errado na bancada do PMDB.

07/01/2012

ANTT: Requião x Bernardo Figueiredo, em fevereiro.

A recondução do diretor-geral da ANTT – Agência Nacional de Transporte Terrestre – tornou-se um problema para a base do governo no Senado. Como se trata da indicação para agência reguladora, faz parte da liturgia a aprovação da indicação da Câmara Alta, onde o indicado tem que ser sabatinado.
Já com paracer favorável do relator da indicação, o Senador carioca Lindebergh Farias, o Senador do Paraná Roberto Requião resolveu questioná-la, argumentando que o indicado, Bernardo Figueiredo Gonçalves, está sendo investigado de denúncias de conluio entre a direção da ANTT e as concessionárias de ferrovias. Requião argumentou: “Esse senhor formatou a privatização do setor, depois, foi para as empresas, arrematou as concessões e, agora, as fiscaliza. Há uma representação no Ministério Público contra sua gestão. Ele age em favor do capital e não do interesse público”.
Com isso a indicação não poderá ir direto para a sabatina, pois, a pedido de Requião, os procuradores que investigam Figueiredo serão ouvidos na Comissão do Senado.
Os senadores foram obrigados a decidir pela oitiva dos procuradores porque Requião apresentou cópia da representação do Ministério Público perante o Tribunal de Contas da União. Além disso, o próprio Requião já vem imputando a Figueiredo a como suspeição de negligência na fiscalização das empresas concessionárias ao não aplicar multas. 
TWITTER: @jogodopoderpr

FACEBOOK: JP Jogo do Poder