Jogo no Paraná de Requião

O Senador Requião veiculou em seu Site esclarecimentos a respeito da conduta do seu governo em relação ao jogo no Paraná e que se tornaram necessários diante da tentativa de que teria, de algum modo, tolerado a prática do jogo.
Na verdade, não há como dar crédito ao argumento de que Requião tenha tolerado o jogo durante o seu governo, pois as medidas institucionalmente adotadas para obstar o trânsito legal de jogo no Paraná e a história falam por si.
 Esse defeito Requião não tem.

Mas vale a leitura da íntegra do texto:

“Requião decretou fim do jogo no Paraná em 2003 Dois decretos assinados pelo então governador do Paraná Roberto Requião, no dia nove de abril de 2003, determinaram o fim do jogo ilegal no Paraná (bingos e vídeo-loterias on-line, os caça-níqueis). Por orientação de Requião, já no dia seguinte (10), os donos das casas de jogos e caça-níqueis começaram a ser notificados, para que obedecessem imediatamente os decretos. “O jogo mantém o canal de lavagem de dinheiro do narcotráfico e da corrupção pública, logo, tem que acabar”, justificava Requião. O então governador informava ainda que havia “suspeitas de conexão das máfias italianas e espanholas com os bingos e as máquinas de caça-níqueis no Paraná, transformando o estado em um importante centro de lavagem de dinheiro na América Latina”.  Esses decretos de Requião de abril de 2003, colocam por terra todas as informações ecoadas por secretários de estado, deputados e alguns jornalistas paranaenses que, diante da revelação de mensagens interceptadas pela Polícia Federal, dando conta de encontro entre membro da quadrilha de Carlinhos Cachoeira e o governador Beto Richa, tentaram desacreditar o papel do senador Roberto Requião no combate ao jogo no Paraná. Os decretos de Requião revogavam três resoluções do Governo Jaime Lerner, de novembro de 2001, assinadas pelo secretário de Governo Cid Campelo, liberando e regulamentando o jogo no Paraná. Toda a história Depois de liberar o jogo, Cid Campelo abriu licitação para selecionar uma empresa que gerisse o bingo e os caça-níqueis, atividades que sua resolução denominava de “Tribingo Paranaense”. Em maio de 2001, meses antes da resolução do secretário de Governo, constituíra-se no Paraná, com capital de cinco mil reais, uma empresa chamada Larami, interessada na exploração do jogo. O principal acionista da empresa era o argentino Roberto Coppola. Onze dias antes da licitação, em setembro de 2001, a empresa Brazilian Gaming Partners, de Carlinhos Cachoeira, associa-se a Larami, cujo capital salta para 600 mil reais. E ela ganhou a concorrência aberta por Cid Campelo,, superando a GTech, empresa que nem sequer foi habilitada para o certame, por alegações esdrúxulas de parte do governo do estado. O direcionamento da licitação para a empresa de Cachoeira-Coppola ficou evidente. O contrato com o governo era milionário. Apenas a multa, em caso de rompimento do contrato, era de 30 milhões de reais. Como, na verdade, a Larami não existia, era uma empresa fantasma, existindo apenas no nome, nada mais, ela terceirizou todo o serviço , contratando diversas empresas para executar as tarefas para as quais fora licitada. Detalhe importante: o Serviço de Loterias do Paraná, Serlopar, nada tinha a ver com a Secretaria de Governo, comandada por Cid Campelo. No entanto, através de decreto assinado pelo então governador Jaime Lerner, o Serlopar foi passado para a esfera de Campelo, que se promoveu a presidente do conselho da empresa. Nessa função, convocou a licitação, montou a comissão licitatória, homologou o certame, contratando a empresa de  Cachoeira-Coppola. O mais grave de tudo é que ficou provado, através de interceptações telefônicas legais, que Cid Campelo comprou duas casas de bingo em Curitiba, as duas maiores, e operou o negócio durante alguns meses, até ser descoberto. O ex-secretário, hoje um dos principais desafetos do senador Roberto Requião, foi condenado por prevaricação e falsidade ideológica, já que colocou as casas de bingo em nome de “laranjas”, mas não cumpriu pena por que a condenação prescreveu. Fim do jogo Ao assumir o governo, Roberto Requião tomou várias iniciativas para acabar com o jogo no Paraná, dentre elas, o decreto de 9 de abril de 2003, que revogou as resoluções do Governo de Jaime Lerner que estabelecera a jogatina no estado”.

TWITTER: @jogodopoderpr

FACEBOOK: JP Jogo do Poder