Parolin contra Derosso

O líder comunitário Edson Parolin, suplente do vereador João Cláudio Derosso (sem partido) e ex-presidente da Câmara de Curitiba, protocolou nesta terça-feira uma Ação de Infidelidade Partidária no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Paraná. Parolin já havia deixado claro que iria pleitear a vaga que tem direito no legislativo municipal. Oficialmente, o PSDB ainda não solicitou a vaga ocupada por Derosso, mas Edson está disposto a recorrer a todos os meios judiciais para sentar na cadeira.

Leia mais:

QUARTA-FEIRA, 9 DE MAIO DE 2012

Efeito moral: Derosso deixa Câmara desnuda

Foi anunciada a saída de Derosso e, assim, encerrou o processo de expulsão que estava em curso dentro do PSDB. O Partido se compromete a não pediu a sua cadeira na Câmara por infidelidade parditária, já que a saída foi combinada, e Derosso vai até o fim do mandato e sairá da Câmara sem ser cassado.
Uma expulsão branca.
Mas a decisão do PSDB de negocia a saída para Derosso deixa a Câmara numa situação profundamente constrangedora, pois ficou claro que Derosso não serve para ser filiado do PSDB, em razão de tudo o que veio a tona, mas serve para seguir sendo vereador de Curitiba.
Disso resulta que o padrões morais da Câmara não servem para o PSDB.
O paradoxo é que os vereadores do PSDB é que dão sustentação para Derosso seguir sendo vereador.
Uma solução perigosa para todos, especialmente para a instituição.

Leia mais:

TERÇA-FEIRA, 8 DE MAIO DE 2012

Derosso se irrita com CQC

Quem viu a confusão na Câmara Municipal nesta terça com a equipe do programa CQC circulando pelos corredores jura que foi um circo de horrores. Os jornalistas, com seu habitual humor sarcástico, não pouparam ninguém. Vereadores que conhecem o tratamento dado a políticos pelo programa correram para os gabinetes. Alguns, como Juliano Borghetti, Emerson Prado e Jonny Stica foram pegos de surpresa e entrevistados. As conversas foram horríveis. Mas nada comparado ao desfecho protagonizado por Derosso, que irritado, tomou o microfone do repórter e jogou pela janela do 4º andar. Abalado por ter que deixar o partido e perder a chance de disputar a reeleição, Derosso ainda está sendo forçado a ver sua ex-mulher, Cláudia Queiroz, assumir publicamente um relacionamento amoroso com o próprio advogado, Marcello Lombardi. Foi o novo namorado que fez todas as tratativas da entrevista concedida por Cláudia à RPC. Na entrevista exclusiva que foi ao ar nesta terça e será pu blicada nesta quarta-feira na íntegra na Gazeta do Povo, Cláudia se diz inocente e garante que sua empresa, a Oficina da Notícia, cumpriu o que prevê a lei, ou seja, o contrato e que não houve  nenhuma irregularidade.

TERÇA-FEIRA, 8 DE MAIO DE 2012

Edson do Parolin quer entrar

Depois da carta de desfiliação de João Cláudio Derosso (PSDB) apresentada ao partido na noite de segunda-feira para evitar a expulsão, o ex-presidente corre o risco de perder o mandato. Pelo menos é o que espera o primeiro suplente do PSDB na Câmara de Vereadores de Curitiba, Edson do Parolin, que  pretende requerer a vaga de Derosso. Edson do Parolin disse que vai conversar com os dirigentes do PSDB na tarde desta terça-feira sobre os procedimentos que devem ser adotados para que ele assuma a cadeira de Derosso. O governador Beto Ticha (PSDB) foi questionado sobre o assunto depois de participar de evento na tarde desta terça-feira junto com Edson e o prefeito Luciano Duccin(PSDB), mas preferiu não entrar na polêmica. Richa disse que esse processo cabe à direção do partido e que está afastado da presidência justamente para não se envolver nessas questões políticas.

SEGUNDA-FEIRA, 7 DE MAIO DE 2012

ACORDO PODE EVITAR EXPULSÃO DE DEROSSO

O PSDB se reúne nesta segunda-feira (07) para decidir sobre a situação de João Cláudio Derosso, ex-presidente da Câmara Municipal de Curitiba. Para não abandonar no meio do caminho o companheiro e não deixar Derosso furioso, a solução seria um acordo para que ele deixe o partido de “livre espontânea vontade”. Assim, o PSDB não precisaria colocar em votação a expulsão, e Derosso, apesar de não poder disputar novo mandato, permaneceria como vereador até o fim, podendo manter os contratos entre as empresas da família com a prefeitura. Dessa forma, vão-se os anéis, ficam-se os dedos.

TERÇA-FEIRA, 10 DE ABRIL DE 2012

MP: Derossso e os R$ 2,5 milhões

Complica a situação do ex-presidente da Câmara.
O Ministério Público do Estado do Paraná (MP-PR) decidiu, na tarde desta terça-feira, que o ex-presidente da Câmara Municipal de Curitiba, João Claudio Derosso, o ex-vereador Ehden Abib e que o servidor público João Leal de Matos, devem devolver R$ 2,5 milhões aos cofres públicos.
No entendimento do órgão, esse foi o valor gasto indevidamente com o pagamento de salários a funcionários “fantasmas” do legislativo municipal.
Além de devolver o dinheiro, a ação proposta pela Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público de Curitiba do MP-PR pede que a Justiça condene os três por improbidade administrativa e que decrete o bloqueio de bens dos investigados.
Segundo os promotores que assinaram a ação, as investigações do órgão revelaram o acúmulo de cargos públicos se servidores da Assembleia Legislativa do Paraná e da Câmara.
Pelas informações, vem aí muito mais chumbo grosso em cima dos vereadores, que tentam a reeleição. Quem comemora são os pré-candidatos que sonham com uma cadeira em outubro.

QUINTA-FEIRA, 8 DE MARÇO DE 2012

Derosso vai ou …

Derosso por um fio

A bancada de oposição da Câmara de Curitiba conseguiu, na tarde desta quarta-feira, coletar 27 assinaturas necessárias para apresentar um requerimento solicitando a destituição de João Cláudio Derosso (PSDB) da presidência da Casa. O pedido, que também teve apoio de governistas, recebeu 7 assinaturas a mais que o mínimo necessário para o pedido. A representação será apresentada com base no artigo 31 do Regimento Interno da Câmara, que prevê, após o protocolo do pedido, a formação de uma Comissão Processante, que deverá avaliar se a representação será levada ou não a votação no Plenário. Em caso afirmativo, pelo menos 26 dos 38 vereadores precisam votar a favor do pedido.

TERÇA-FEIRA, 6 DE MARÇO DE 2012

Prado fuzila Derosso

O líder do PSDB na Câmara Municipal, vereador Emerson Prado (PSDB), que recentemente se envolveu em polêmica e discussão com policiais, resolveu encabeçar um movimento contra o colega de partido, João Cláudio Derosso. Ele defendeu nesta terça-feira o afastamento definitivo de João Cláudio Derosso (PSDB) da presidência da Câmara Municipal, que está licenciado desde novembro do ano passado.

TERÇA-FEIRA, 6 DE MARÇO DE 2012

Derosso fica, vereadores temem

Alguns vereadores estão preocupados com os últimos fatos políticos na Câmara Municipal. Avaliam que pode refletir de forma negativa na reeleição a medida do presidente interino da Câmara de Curitiba, Sabino Picolo (DEM), de arquivar o requerimento que solicitava o afastamento defintivo de João Cláudio Derosso (PSDB) do cargo. A oposição tentou impedir, por meio de requerimento, a volta de Derosso. Segundo a oposição, nenhum vereador pode ficar mais de 120 dias afastado do mandato e o presidente não poderia também permanecer mais de 4 meses de licença.  Sabino Picolo diz que arquivou o requerimento baseado no parecer do departamento jurídico da Câmara. Ou seja, o retorno de Derosso está garantido antes da eleição.
TWITTER: @jogodopoderpr

FACEBOOK: JP Jogo do Poder