Resumo de Veja, Istoé, etc …

Senhoras e senhores, segue o mais apurado relatório de leitura das revistas semanais do Brasil, trazendo para você o que de melhor foi publicado nos hebdomadários nacionais final de semana.   VEJA: a capa da revista fala sobre o embate entre “a mão pesada do estado” versus “a mão invisível do mercado”. A partir de uma ilustração de mau gosto incrível, a revista fala sobre como as medidas adotadas pelo governo para estimular a economia não estão surtindo efeitos práticos. Para variar, Veja dá o caminho das pedras de como a equipe econômica do governo deveria agir para que tudo desse certo e todos fôssemos felizes para sempre. Um conjunto de entrevistas com economistas “cagas regras” do mundo ajuda a engrossar o coro em favor do aumento de investimentos e diminuição da burocracia.   Das matérias nacionais, a mais importante fala sobre como os planos de saúde particulares não entregam o que prometem. A matéria peca por não ingressar sobre a ação do governo no setor, através da ANS, que confunde freqüentemente regulação com intervenção, aumentando freqüentemente o rol dos procedimentos que os planos devem atender sem, no entanto, autorizar o aumento correspondente nas mensalidades. Nessa toada a saúde suplementar vai virar outro SUS. A matéria mais interessante, porém, fala sobre o “PT de Dilma”. O tema já havia sido tratado antes, mas a revista dá novo destaque à tropa de choque dilmista – composta por Paulo Bernardo, Alexandre Padilha, Gleisi Hoffmann, Fernando Pimentel e Aloizio Mercadante -, que agora opera como sua conselheira para assuntos de eleições municipais e deve assumir o comando do partido após o julgamento do mensalão. O texto destaque diz que Dilma espera cortar as asas do rebelde PSB e já fala abertamente em reeleição, que seria página virada na trajetória política de Lula.   ÉPOCA: seguindo sua trajetória de “reportagens sem as quais não sabemos como podíamos viver sem, embora vivêssemos”, a revista tem como capa o tema “EU ME ACHO”, em que discorre sobre a problemática dos adultos individualistas que se comportam como crianças. “Saiba como enfrentar esse problema” é a gravata. Sem dúvida um momento ímpar do jornalismo brasileiro e posso garantir que todos os leitores que tiverem acesso a este brilhante texto serão pessoas melhores dali em diante. Eu sou um dos afortunados.   O segundo maior destaque da revista, entretanto, traz um furo sobre a ligação do governador de Goiás, Marconi Perillo, e a construtora Delta. Época publica um relatório sigiloso da PF que comprova os elos entre o esquema de Cachoeira e o governador. O título sugestivo é “Como a Delta pagou Perillo”. A “comissão” recebida pelo governador na tal venda de sua casa a Cachoeira teria sido de R$ 500 mil. A recompensa: facilitar os pagamentos do governo à construtora.   Em notas, a coluna de Felipe Patury informa que uma pesquisa feita pela FSB com 220 deputados de 19 partidos apontou os desempenhos das agências reguladores. A mais bem classificada foi a Aneel, e a pior, a Anatel.   CURIOSIDADE: ambas as revistas destacam o convite feito por Dilma em pessoa para que o marqueteiro João Santana assuma a campanha de Patrus Ananias à prefeitura de Belo Horizonte. Santana já fará as campanhas de Haddad em SP e tem ainda a reeleição de Chávez na Venezuela e a campanha presidencial de Angola sob suas asas. Mas enquanto Época diz que o marqueteiro assumiu o convite com gosto e tocará tudo tranquilamente, Veja diz que Santana se sente receoso em dizer “não” ao convite da presidenta, uma vez que sua agenda para o segundo semestre já está repleta de emoções eleitorais.   Já na combativa e incansável ISTOÉ, o destaque político vai para o descontentamento de Geraldo Alckmin com os rumos da campanha de Serra em SP. Aparentemente, o governador pedia mais espaço político na campanha e essa condição pode contribuir para aumentar as fissuras tucanas existentes desde 2008.   A capa da revista, sobre a qual não tecerei comentários adicionais, tem como manchete: “CIÚMES, O AMOR LEVADO AO EXTREMO”.   Como podem ver, leituras muito divertidas.

TWITTER: @jogodopoderpr

FACEBOOK: JP Jogo do Poder