Agora está integrado o transporte coletivo em São José dos Pinhais

Antes o passageiro que necessitasse ir de uma bairro a outro em São José dos Pinhais era obrigado a pagar duas passagens, uma no primeiro e outra no segundo trecho, pois obrigatoriamente tinha que descer no terminal de conexão.
No início de sua gestão Ivan Rodrigues reduziu esse custo para o passageiro, implantando a integração parcial e na qual passou a ser necessário pagar apenas meia passagem no segundo trecho.
O Prefeito Ivan Rodrigues beste domingo no debate da CNT, realizado entre os candidatos a prefeito de SJP, que a partir da 0h desta segunda-feira (24) todas as linhas de ônibus que operam dentro do município passarão a ser integradas e os usuários passarão a pagar apenas uma passagem para ir de um ponto ao outro em qualquer linha da cidade, urbana ou rural.

Transporte em SJP é integrado por Ivan Rodrigues.
Essa é a maior conquista do usuário do sistema de transporte coletivo de São José dos Pinhais desde a implantação do serviço na Cidade e o impacto imediato será que todos passarão a gastar menos com passagem de ônibus. 
Junto com a municipalização do Hospital São José essa era um dos principais compromissos do Prefeito Ivan Rodrigues, que ontem também explicou que houve demora no cumprimento desse compromisso em razão das medidas judiciais que existiram e atrasaram a implantação da licitação.
A medida beneficia todos os usuários de ônibus e também diretamente o empresariado, que faz uso de vale transporte para os seus funcionários. Junto com a municipalização do Hospital São José essa era uma das principais metas que Ivan Rodrigues perseguia desde o início do seu governo.
A integração do transporte coletivo foi definida a partir da inédita licitação do serviço no Município. Veja abaixo os detalhes.
Na tarde dessa terça-feira (18), as empresas vencedoras do processo – Sanjotur e Auto Viação São José Ltda – e a Prefeitura assinaram a ordem de serviço para iniciar a administração dos ônibus da cidade.
A integração se dará por meio do Vale Eletrônico Municipal (VEM), que pode ser obtido gratuitamente por qualquer cidadão. Além do cartão VEM tradicional, são aceitos para fazer a integração o VEM Cidadão, Sênior, Vale Transporte, Estudante e Passe das Artes, todos igualmente obtidos gratuitamente. O usuário terá apenas que alimentar os cartões com créditos necessários para utilizar o sistema e com eles será possível aos são-joseenses pagar apenas uma tarifa para andar dentro da cidade durante uma hora. O cartão VEM já permitia aos usuários trocar de ônibus pagando apenas meia tarifa.
Com o sistema inteligente do transporte em São José dos Pinhais, o usuário não depende dos terminais para fazer a integração. Assim, o passageiro pode descer em qualquer ponto, dentro ou fora dos terminais, e terá uma hora para tomar um segundo ônibus utilizando a mesma passagem.
O outro objetivo perseguido por Ivan Rodrigues na sua gestão é que integração do transporte coletivo dentro de São José dos Pinhais permita também a integração com as linhas de Curitiba e que transportam passageiros entre as duas cidades. Segundo o Secretário de Transportes Giovane de Souza, “já estão em andamento as conversações nesse sentido, dependendo apenas dos ajustes financeiros”.
“A licitação é importante para o município e para as empresas que administram o serviço, pois ambas possuem a segurança do contrato”, destaca o Secretário Municipal de Urbanismo, Luis Scarpin.
O novo sistema permitirá a introdução da chamada tecnologia embarcada, que permite às empresas informar mais e melhor os usuários do sistema. “Nós já tínhamos tecnologia embarcada, mas com a licitação teremos que aprimorar para melhorar o desempenho e atendimento”, afirma Antonio Jorge M. de Brito, gerente da Sanjotur. “A coisa toda só anda quando existe diálogo. É importante fazer tudo com bom senso”, complementa o diretor administrativo da Auto Viação São José dos Pinhais Ltda., Dante Franceschi.
Sobre a Licitação
A licitação do transporte coletivo foi realizada neste ano pela primeira vez na história de São José dos Pinhais. Entre as novidades previstas pelo processo, estão a integração total das linhas dentro do município e maior transparência no custo da tarifa. “A integração do município possibilitará a criação de novas linhas, novos itinerários e maior fiscalização do transporte coletivo”, afirmou o secretário municipal de Urbanismo, Luiz Scarpin.
A licitação também prevê melhorias nos terminais de ônibus e criação de seis novos pontos de integração (Borda do Campo, Izaura/Ipê, Costeira, Contenda, Rui Barbosa e Vila Jurema). As empresas contratadas também deverão adequar os veículos e fazer a instalação de novas tecnologias nos ônibus, como câmeras de vídeo, GPS e computador de bordo.
A manutenção dos terminais e dos pontos de integração passarão a ser de responsabilidade das empresas concessionária, que deverão introduzir todas as facilidades para os passageiros.
Na gestão de Ivan Rodrigues a Caixa Econômica Federal foi obrigada a instalar unidade no ponto de integração do São Marco e deverá fazê-lo também nos outros terminas, o que facilitará a vida do usuário, sobretudo da zona rural, que poderá ser atendido sem ter que se deslocar até o centro.
“As inovações tecnológicas vão permitir um maior controle sobre a frota; maior segurança nos veículos, reduzindo o risco de assaltos em virtude da instalação de câmeras e cofres; e maior conforto e agilidade aos usuários, que poderão saber onde está o ônibus que desejam pegar, evitando as longas esperas nos pontos”, explica Saulo Aversa, chefe da Divisão de Transporte da Secretaria Municipal de Transportes e Trânsito.

Cartão VEM pode ser retirado gratuitamente pelo cidadão.
Cartão VEM
Qualquer pessoa pode fazer o cartão VEM. A primeira via é gratuita e pode ser solicitada na Central do Vale Eletrônico Municipal, localizada na Rua Marcelino Nogueira, 278, no Centro; no Terminal Central e também no Ponto de Integração de ônibus do bairro São Marcos. Para fazer o cartão VEM basta o usuário levar os documentos pessoais (CPF e RG) e um comprovante de residência.
Como começou a licitação
Até a licitação, os contratos com as empresas que faziam o transporte coletivo em São José dos Pinhais foram considerados nulos pelo no início da gestão Ivan Rodrigues, que determinou a licitação, pois eles tinham sido renovados ilegalmente pelo ex-prefeito Luiz Carlos Setim em 2001.
Em razão disso, no dia 29/07/2009 o Ministério Público ajuizou uma ação civil pública onde foi decretada a ilegalidade dos contratos. Os recursos interpostos pelas empresas atrasaram o processo licitatório. Em 27/10/2009 a liminar foi deferida mas, posteriormente, suspensa pelo Tribunal de Justiça do Paraná em um recurso obtido pelas empresas concessionárias Auto Viação São José e Sanjotur. No entanto, a liminar foi restaurada em 12/01/2011, quando o Tribunal de Justiça julgou definitivamente o recurso das empresas e o processo licitatório pode ser instaurado através dos estudos iniciais.
Como o município precisou contratar uma empresa especializada para redimensionar o sistema de transporte coletivo, estabelecer a rota das linhas, calcular o valor da tarifa e oferecer os elementos para a confecção do edital, os prazos foram ultrapassados e o juiz concedeu uma prorrogação, sendo que o prazo final para a publicação do edital ficou para 2012.
Além da ação civil pública ainda há uma ação de improbidade correndo no Supremo Tribunal Federal (STF) contra Setim para responsabilizá-lo pela prorrogação indevida dos contratos em 2001, em que, inclusive, a requerimento do Ministério Público, os bens de Setim chegaram a ser sequestrados pela Justiça para garantir os prejuízos causados pela prorrogação ilegal.
Os estudos realizados pela empresa contratada pela Prefeitura para organizar a licitação constataram, ainda, que havia uma distorção nas tarifas aplicadas aos usuários do município, beneficiando os moradores da área rural em detrimento aos moradores da zona urbana. E que ao longo dos seus anos de mandato, de 1997 até 2004, Setim foi concedendo reajuste das tarifas para as empresas apenas sobre o passageiro urbano e, com isso, ao final dos seus dois mandatos as tarifas urbana e rural estavam equiparadas, sendo que no começo do mandato a tarifa rural era o dobro da urbana. Esse processo, segundo a empresa contratada pela Prefeitura para fazer os cálculos, sobrecarregou o passageiro urbano que, ao longo dos anos, foi pagando mais do que deveria se não tivesse tido a equiparação com a tarifa rural.
TWITTER: @jogodopoderpr

FACEBOOK: JP Jogo do Poder