Resenha das revistas Veja, Época e Istoé.

Cetamina! E com essa palavra esquisita que a revista Veja destaca em sua capa um tal anestésico que promete combater e até acabar com a maldita depressão, que já atinge 40 milhões de brasileiros (estatística duvidosa pois ainda não contabiliza a abatida e injusticada torcida palmeirense)! Brincadeiras a parte, a cetamina existe desde os anos 60 e já foi aplicada em soldados americanos espetados por vietnamitas. Na década de 90, a substancia passou a “colaborar” com a turma mais chegada a uma droga alucinógena. Agora devera melhorar a vida de muitos, diz a periódica. Boa matéria! No habitual estilo “pancadaria no PT”, Veja não abandona a pauta semanal contra o partido. Dessa vez o tiro e contra o relator da CPI do Cachoeira, deputado Odair Cunha, e o polêmico e vaidoso presidente do PT, Rui Falcão. A reportagem afirma que o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, e a mais nova vítima do partido por ter mirado e acertado pesado contra os mensaleiros. Não escapam os deputados federais petistas Paulo Teixeira e Jilmar Tatto; ambos, segundo a semanal, integrantes do grupo que rema contra a transparência da CPI e a liberdade de imprensa. Nas viradas de páginas não poderiam faltar os gélidos assuntos de sempre….entre eles,  a “emocionante” posse de Joaquim Barbosa; mais um capítulo da mortandade paulista e a chegada de um novo xerife ao governo tucano paulista; e, lógico, o enredo criminal de fazer inveja aos dramaturgos mexicanos… o julgamento da provável execução canina (literal) da “boa moça” Eliza pelo catador de bolas Bruno e seus amigos barra-pesada! Ganha destaque em Veja a mexida que a rainha Dilma faz nas maiores estatais para estimular a economia. O balanço da reportagem, obviamente, e negativo. Conclui que as reduções das tarifas da eletricidade e os congelamentos dos preços dos combustíveis e derivados, respectivamente, desvalorizaram em 50% o valor da Eletrobras e mataram o lucro da Petrobrás em 2012. De resto, pautas amenas e pouco saborosas ao apetite dos nossos sacrificados neurônios.

Época aborda um tema de impacto na capa: o movimento surgido nos EUA e ainda incipiente no Brasil em prol da transparência dos hospitais, que ainda guardam informações em caixas pretas e dificultam a livre escolha por parte dos pacientes. Vespeiro a ser mexido com urgência. Pena ter faltado vigor à reportagem, que ouviu poucas fontes de peso. O editorial e uma das matérias da revista narram a ascensão de Joaquim Barbosa, o ministro popstar. A fisionomia de Dilma ao lado no novo chefão do STF não expressa gozo ou satisfação. A coluna de Felipe Patury retrata a conexão entre a famigerada Delta e o prefeito carioca Eduardo Paes, que trocaram 22 telefonemas às vésperas da execução de obras com dispensa de licitação no RJ, hoje investigadas pelo MP.  O colunista fala ainda do projeto de lei do deputado Jean Willys (PSOL-RJ), ex-BBB e ativista gay, entre outras atribuições, para legalizar no país a profissão mais antiga do mundo, desde que o cachê dos bordéis seja menor do que 50% do valor do programa. As damas da noite agradecem! Sobre o setor elétrico, a Fiesp se abraça ao governo federal e paga anúncio de duas páginas em favor da MP da redução das tarifas e renovação das concessões de energia.
A IstoÉ, em mais uma decisão editorial duvidosa e questionável, traz na capa o bispo Edir Macedo e sua biografia autorizada que virou best-seller, com direito a longa entrevista e linha do tempo. Se o objetivo é meramente jornalístico, falta relevância. A revista cozinha o tema das renovações das concessões elétricas e o corte das tarifas em matéria sem uma novidade sequer. Ainda sobre o setor, Ricardo Boechat informa que o TCU mandou o Ministério de Minas e Energia incluir cláusula na MP 579 para que a União fique protegida se houver erro nos cálculos de indenizações sobre ativos não amortizados.
Brasileirao definido e véspera do Formula 1 emocionante so para os nossos irmãos europeus, nos resta visitar papai noel nos shoppings !!! abs
TWITTER: @jogodopoderpr

FACEBOOK: JP Jogo do Poder