Empréstimo do Pr: Requião x Beto

Aumenta o clima tenso entre o senador Roberto Requião (PMDB) e o governador Beto Richa (PSDB). Em nota divulgada à imprensa nesta quarta-feira, Requião negou que tenha atuado para impedir que o Senado autorizasse o governo do Paraná a contrair empréstimo internacional, como acusou o governador.
Segundo o senador, depois da aprovação de autorização para que os estados do Ceará, Bahia, Rio Grande do Sul e Santa Catarina contratassem empréstimos externos, colocou-se em votação a autorização para que o Paraná fizesse o mesmo. No entanto, ao contrário dos pedidos de outros estados, o pedido do Paraná não especificava onde seriam aplicados os recursos. O relatório apresentado senador Delcídio Amaral (PT-MT) falava apenas em investimentos no “desenvolvimento setorial”, sem dizer o que isso poderia significar.
Diante da dúvida, o senador José Sarney, que presidia a sessão, determinou que o pedido do Paraná fosse retirado de pauta, até que se esclarecesse o destino dos 350 milhões de dólares reivindicados.
De acordo com a nota, o senador Roberto Requião não é contra empréstimos externos para o Paraná. É contra, isso sim, o desperdício de recursos não se sabe onde, sob que justificativas.
De fato, se as coisas estão se passando como diz a nota do Senador Requião, é necessário que o Estado do Paraná indique de maneira clara onde, quando e como serão utilizados os recursos oriundo da operação de empréstimo, até para que o próprio Senado, além da sociedade paranaense, é claro, possa decidir corretamente se é ou não o caso de autorizar o empréstimo e isto porque não existe a figura do “cheque em branco” em matéria de recursos públicos.
O Senador Álvaro Dias também manifestou que falta informações sobre a destinação dos recursos oriundos do empréstimos e que tão logo o Governo do Paraná preste os esclarecimentos não terá problemas em votar favoravelmente a matéria.
Se o Governo do Paraná não prestar as informações pretendidas por Requião é possível que o empréstimo não seja aprovado em fevereiro, como pretende o Governo do Paraná, pois o Senador poderá obter apoio de outros colegas para obstar o trâmite do projeto.
Por seu turno, o Governador Beto Richa aproveitou a oportunidade para unir a sua tropa com o discurso de que ao impedir a aprovação do empréstimo o Senador traiu o seu Estado natal e, com isso, assumiu uma postura mais protagonista na cena política, tal como já tinha tentado fazer em relação a Ministra Gleisi quando da questão envolvendo a redução da tarifa da energia elétrica.
São dois temas que vão habitar o debate político e eleitoral de 2014.

TWITTER: @jogodopoderpr

FACEBOOK: JP Jogo do Poder