NO FIGURADO, CONGRESSO VIROU BORDEL, ZONA …

Entrou na pauta da Câmara dos Deputados nessa semana o projeto de Reforma Política e foi logo inviabilizado por falta de consenso, eis que tem partido que não quer nem ouvir falar no assunto.
Mas entrou também na pauta um outro projeto, envolvendo também o futuro dos partidos políticos, e cujo objeto é impedir que partidos recém criados tenham direito a receber recursos do fundo partidário e horário na televisão sem que tenham, por meio de eleição, formado as suas próprias bancadas.
O exemplo marcante é o do recém criado PSD, de Kassab, que levou uma tropa grande do DEM e ainda parte do fundo partidário e do horário eleitoral
Em resumo, o projeto quer impedir que isso se repita.
Em meio ao debate que se instaurou a partir das falas dos Deputados Garotinho, Rodrigo Maia, Roberto Freire e Silvio Costa, o deputado Espiridião Amin, sempre bem humorado, letrado e eloqüente, ex-governador de Santa Catarina, resolveu participar com a citação de um trecho de uma obra americana, onde o autor fazia a seguinte crítica: “Ao pregar ortodoxia fiscal, nós, dos EUA, ficamos mais ou menos na situação da prostituta que, tendo se aposentado com o dinheiro que ganhou, acha que a virtude pública exige o fechamento da zona”.
Depois da citação, Esperidião emendou: “Nós, com a votação desse texto que prega a ortodoxia eleitoral— estaremos fechando o mercado. Ou a Zona. Por isso, recomendo à minha bancada o voto sim”.
Chico Alencar não se conteve e mandou: “É evidente que aqui, para continuar nessa linguagem não muito feliz do bordel e da zona, o que vai se estabelecer é o seguinte: quem comeu comeu, quem não comeu não come mais”.
Pois é, de pois de brindar a sociedade com a falta de consenso no fundamental tema da reforma política, só faltava o linguajar descer a o nível acima retratado.

Leia mais:

QUARTA-FEIRA, 10 DE ABRIL DE 2013

REFORMA POLÍTICA: A CLASSE POLÍTICA APODRECEU E NÃO SENTE O CHEIRO

O Congresso Nacional caminhou para fracassar, mais uma vez, na tentativa de produzir uma reforma política no país, dada a total falta de consenso entre os parlamentares em relação a todos os pontos da reforma proposta pelo Deputado Henrique Fontana.

Não cabe mais se debater sobre os pontos da reforma proposta, mas para a falta de consenso que, reiteradamente, nas inúmeras tentativas, há sobre qualquer que seja a proposta posta para discussão.

O motivo é óbvio. Cada partido olha para o seu próprio umbigo, para suas possibilidades de sobrevivência no modelo proposta e os efeitos que as mudanças propostas teriam sobre seu futuro. Só isso. Nada mais que isso. Não há preocupação com o país, não há desprendimento, não magnanimidade, não há humildade, não há disposição para a conciliação e o cenário é aquele em que o argumento bom é o que discorda, que diverge e que inviabiliza a construção de qualquer solução.

É triste constatar que a maioria dos parlamentares não conseguem encontrar um consenso mínimo para dar início a um processo de mudanças no processo eleitoral apodrecido, que se encontra mergulhado num processo de deterioração irreversível, um câncer que avança inexoravelmente e já em fase terminal e que tem como conseqüência a desmoralização da classe política, a negação da política pelas suas próprias práticas.

O patrimonialismo, na noção de pensar só em si e de ter o público como seu,  está a consciência, no corpo e na alma do político brasileiro e é a causa fundamental da sua deterioração.

Tem sido assim também porque a sociedade, exceção de algumas entidades que enviaram propostas e manifestações ao Congresso, pouco se interessa pelo tema e a mídia só se interessa pelo que a sociedade se interessa, que, em última análise, é o que dá faturamento, conduzindo à anomalia na qual, no mês em que a reforma política é levada para votação no Congresso a mídia só fala da disputa entre Feliciano e a comunidade organizada dos homossexuais.

Triste.

Uma classe política desmoralizada e em adiantado grau de deterioração, apostando na negação da atividade política pela população, não tem autoridade para insurgir-se contra a Justiça Eleitoral quando ela se põe a estabelecer regramentos para moralizar o processo eleitoral, justamente como conseqüência da omissão do Congresso.


 Vai continuar sendo assim.

Apenas para ilustrar, em 2012, os gastos eleitorais apurados pelo TSE ultrapassaram R$ 3,5 bilhões. Com o Horário Eleitoral Gratuito a União gastou R$ 606 milhões. O entidade Contas Abertas diz que, nos últimos dez anos, a União desembolsou mais de R$ 4 bilhões em compensações tributárias com as geradores de radiodifusão pelo uso do Horário Eleitoral e com o Fundo Partidário cerca de R$ 286 milhões.

Os valores são ridículos se comparados com o que os partidos gastaram nas campanhas de Presidente da República e Governador nos últimos 10 anos (não vamos nem falar das campanhas de vereadores, prefeitos, deputados e senadores). Também nem vamos nos aprofundar no fato de que os números citados darão conta de valores oficias, ou seja, não e fala em caixa dois. Uma conta de somar denuncia a absurda desproporção entre esse pífio financiamento público e a brutal influência do poder econômico no processo político brasileiro.

O sistema está podre e a classe política não incomoda mais seu cheiro podre porque é o cheiro da própria classe política, dito isto como um todo e sem referência individuais, pois existem, acreditem, bons políticos.

A sociedade brasileira só logrará produzir uma reforma política fora dos limites do congresso ordinário, tomado por interesses que estão muito distantes dos interesses do país no que toca ao tema.

Sendo assim, só uma constituinte exclusiva pode resolver o problema.

TWITTER: @jogodopoderpr

FACEBOOK: JP Jogo do Poder