RESENHA DAS REVISAS VEJA, ÉPOCA, ISTOÉ …

Pizza sem molho, espaguete só ao molho branco e nem pensar em tomate na salada.
O fruto (ou seria legume ?) – primo muito próximo da berinjela, do pimentão e da pimenta – é o vilão da vez !!! É o novo fetiche dos empíricos que dão palpites semanalmente nos programas de TVs, rádios e jornais semanalmente, diariamente (ou diareiamente), a cada hora, minuto a minuto. e a oposição caiu de cabeça, até levando carrinho de supermercado no Congresso.

Nessa semana, sobrou para o coitado do tomate a fama pela volta da inflação. Entre janeiro e março, o quilo dos suculentos “vermelhinhos” ficou 60% mais caro. Culpa do mau tempo ? Sendo ou não, alguns dizem e outros torcem, que a  partir de agora nossa rainha Dilma que se cuide para não levar caras tomatadas dos brasileiros caso a temida inflação ultrapasse o índice acumulado de 6,5% até o final de 2013, percentual estipulado como zona de risco pelo próprio governo federal. 
Veja não poupa o PT e imprime eu sua capa a “pisada no tomate” da Presidenta, que, pela opinião da semanal, poderá até perder a reeleição caso não apague logo as cusparadas de fogo do nostálgico e hibernado dragão inflacionário. Puro exercício de bola de cristal, pois as pesquisas dão que a rainha segue exuberante e à frente da modesta oposição. 
Afora o tema economia, não é que o nosso Paraná ganha destaque nas colunas políticas da maior das periódicas. Holofote diz que o bem comportado e sisudo prefeito curitibano Fruet, a semanal esforça-se em parecer que é sisudo, resolveu encarar o não menos comportado, sempre engomado de perfumado governador Beto Richa, segundo as línguas da oposição mais sisuda, em razão da questão do preço da passagem de ônibus. O circunspecto Gustavo reunira mais doze colegas prefeitos para reivindicar a manutenção dos R$ 63 milhões em subsídios, e, assim, manter congelado o valor básico do bilhete em R$ 2,85 na capital paranaense. Esperemos para ver no que dará o confronto entre Fruet versus Richa !!! E que não sobre para o povo !! 
Já a coluna Radar diz que a empreiteira CR Almeida (mais Paraná na vitrine) doou R$ 250 mil para a campanha da ministra Gleisi Hoffmann. Agora, a contrapartida estaria sendo devolvida pelas mãos do deputado federal Andre Vargas, que apresenta um projeto de lei para batizar uma parte da BR 277 (que liga Curitiba a Paranaguá) como Cecílio do Rego Almeida, nome do falecido fundador da milionária construtora paranaense. Se fosse verdade, um ótimo modelo a ser copiado pelos políticos nas próximas doações de campanhas. Mas, na última campanha para a prefeitura de Curitiba, Marcelo Almeida, expoente da família CR Almeida na política, estava fechado com Ratinho Junior e agora é deputado federal alinhado com o Senador Requião, candidato a Governador do Paraná pelo PMDB. É mais que provável que se a semanal procurasse encontraria doações da CR Almeida para quase todo mundo no Paraná. Natural que a maior empreiteira do Paraná faça doações para políticos locais. Então, dada a total ausência de prova sobre a relação da CR Almeida com Gleisi, a semanal deu uma viajada. Quando a André Vargas, é possível que tenha tido um lampejo pessoal de simpatia pelo velho Cecília, com quem provavelmente nunca conviveu. Isso é que está fora da curva.
Veja também mostra que o botocado empresário Eike Batista começa a ver o seu castelo de areia ruir … e que ira recorrer aos cofres públicos federais para minimizar os bilionários prejuízos de suas aparentes empresas rentáveis. 
A revista ainda nos brinda, nas páginas amarelas, com a bela ex primeira dama francesa Carla Bruni Sarkozy e curiosas revelações. Ela fuma cigarro sem fumaça e anda de metro em Paris. O melhor da entrevista, é obvio, fica por conta da foto !!!

Pela segunda semana consecutiva, Época repete na capa o tema da principal concorrente – mas desta vez as duas viram quase gêmeas, com o uso do mesmo conceito e da mesma expressão popular, com a diferença no tom político da abordagem (para a Época, foi o governo quem pisou no tomate; Veja cita nominalmente a presidente Dilma). O tom da revista do grupo Globo é mais ameno, com foco no resgate histórico de erros do passado que levaram à hiperinflação, mas a matéria carece de consistência e sugestões bem argumentadas para conter a alta de preços. 

Segundo a coluna de Felipe Patury, uma pesquisa coordenada pelo marqueteiro João Santana definirá o candidato do PT ao governo de SP. Mercadante, Padilha e Mantega aguardam. Outra nota escancara a mistura entre público e privado, característica dessas terras e também de outras de quase todo o mundo: o TCU descobriu 81 contratos firmados entre funcionários da Petrobrás e parentes. 
Sobre energia, a revista descreve a corrida pelo gás de xisto, que pode substituir a dependência mundial pelo petróleo. O Brasil engatinha. A revista ainda desperdiça boa pauta com reportagem superficial sobre a precariedade das estradas brasileiras, e entra na onda do erotismo “soft” com 25 dicas de sexo para apimentar a relação do casal. Direto ao ponto e sem falso pudor. Pratiquemos?

A IstoÉ tenta chamuscar em matéria de capa o novo ministro da Agricultura, Antônio Andrade, com acusações de lavagem de dinheiro e crime eleitoral numa estranha história em que o PMDB mineiro, comandado pelo atual ministro, financiou um partido adversário (PP) na eleição de 2012 na pequena cidade de Santos Dumont. Tiro atrasado e na água.

Uma pauta copiada do Fantástico rendeu reportagem interessante sobre as condições sanitárias da carne brasileira – 30% do que é consumido no país não passa por qualquer fiscalização -. A revista também repercute conclusão de pesquisadores australianos: parceiras de homens com pênis maiores sentem maior prazer. A matéria inclui curiosa pesquisa de fabricantes de preservativos que coloca o Brasil em último lugar num ranking de 14 países sobre o tamanho do órgão sexual, com média é de 16,1 cm (ereto). O negócio não e’competência, é ter a coisa grande? Então, Gabirus penianos, uni-vos!!! Vamos fazer a coisa crescer!!!

Caminhemos para mais uma hilária semana tupiniquim !! abs
TWITTER: @jogodopoderpr

FACEBOOK: JP Jogo do Poder