A RESENHA DAS REVISTAS VEJA, ISTOÉ E ÉPOCA DESTA SEMANA

Oportuna e preocupante a reportagem principal de Veja. Estampa na capa um menino de 3 anos e órfão do pai assassinado há quatro meses num assalto em SP. Não por falta de matéria prima, o texto aborda histórias de famílias de classe média que tiveram suas trajetórias interrompidas de forma brutal e, quase todas, em crimes cometidos por menores. Ponto alto são as fotos – sempre a luz de vela – de viúvas, viúvos, criancas e adolescentes com fisionomias abatidas, corpos alquebrados, olhares taciturnos – de modo a fazer com que a própria imagem tente retratar a posição da revista sobre o tema – e depoimentos pouco esperançosos sobre a possibilidade de que algo mude a longo prazo no Brasil da impunidade e da bala solta. Para a semanal, o assistencialismo praticado pelo governo federal (que ela chama de “bolsa-bandido”) e o maior culpado pelo caldo de miséria que só engrossa no pais desde que o PT sentou no trono. Fácil ver que a revista é “doida” pela redução da maioridade penal e de-lhe mais pobres na cadeia – sim, porque menores da elite não entram nessas frias -. Mas, então, cada um que tire as suas conclusões !!!
Medalhões da política paranaense também ganham notoriedade nessa edição. A ministra Gleisi e o não menos poderoso Secretario da Presidência, Gilberto Carvalho, estariam em pé de guerra por causa do dossiê encomendado pela rainha Dilma sobre as peripécias da tal Rosemary Noronha, chapa de Lula e uma das campeãs de audiência na revista e aqui nas nossas resenhas. Segundo a revista, enquanto a presidenta insiste em jogar mais luz na obscura atuação lobista da ex chefe de gabinete, diz Veja, Carvalho rema contra. O secretario, além de velho companheiro de Lula, é um dos poucos remanescentes do comando anterior. Há uma torcida grande, particularmente de Veja, que Dilma e Lula se desentendam. Quem é lá do Paraná e conhece Gilberto Carvalho e Gleisi sabe que é improvável florescer uma intriga entre os dois. Então, de novo, cada um que faca o seu juízo !!!
A revista volta a mirar a sua metralhadora contra o deputado federal, agora vice presidente da Câmara, André Vargas (PT/PR). Veicula uma matéria, com direito a foto onde André exibe os dentes abraçado ao seu assessor e xará, André Guimarães. Foto de uma página e sob o título O GOLPE DO PATROCÍNIO! Assim, esses “Andres” aparecem pela segunda vez no ano nas páginas de Veja, sempre envoltos pela semanal em armações pouco convencionais. Instalado no gabinete de Vargas, Guimarães parece, segundo a revista, é dono de uma versatilidade profissional e excesso de competência únicos, mágico, genial. Na primeira reportagem, ficou conhecido por desenvolver blogs especializados em defenestrar adversários petistas. Dessa vez, a periódica acusa a dupla pelo suposto desvio de 180 mil reais em patrocínios da Caixa Econômica e Petrobrás (ambas sob a batuta federal). As logomarcas das poderosas estatais foram impressas em cartazes publicitários que convocaram a população a participar do incomparável e mundialmente conhecido Carnaval da cidade de Londrina. Mas semanal não foi, não quis ou preferiu não ver que há carnaval na quente e vibrante Londrina, diferentemente da fria Curitiba. Tampouco que o PT não era governo em Londrina e teve candidato próprio na última eleição e perdeu. Faltou informação na matéria. Para demonizar a semanal conta que os cartazes não passaram de falsificação do material já confeccionado pela própria prefeitura. Aponta para a coincidência de Londrina ser a base política de André Vargas. André foi secretário de comunicação do PT, um dos defensores do projeto de regulação das mídias. Então, é alvo sempre. Tirem os mortais suas conclusões …
De qualquer modo, Veja faz parecer que conta com um ou mais informantes entranhados nas vísceras petistas !!!

Época, que deu um tapa no visual, vai ao Nordeste e mostra a dicotomia entre PT e Eduardo Campos, fenômenos eleitorais na região, que andaram juntos nos últimos anos mas devem se enfrentar em 2014. Em 2010, a diferença entre Dilma e Serra sem o Nordeste cairia de 12 milhões para 1,3 milhão de votos. O Bolsa Família ainda é o fiel da balança, mas pesam a favor de Campos a atual seca no Nordeste, os governadores nordestinos do PSB, os resultados em Pernambuco e o sotaque. Uma matéria com muito boa vontade com Campos, pois seus votos nunca foram além de Pernambuco, os governadores do PSB, no íntimo, querem Dilma, seca sempre existiu no nordeste, Pernambuco continua padecendo como sempre e o Bolsa Família, programa sob o qual todos os partidos da base cresceram nos últimos anos – em particular o PSB -, continua um instrumento belo e formoso para o PT. Faltou contraponto na matéria.
Eugênio Bucci traz pertinente artigo sobre a opressão imposta pela Receita e pelo Leão sobre as pessoas físicas, essas reles mortais.
Já a matéria que tenta explicar o sucesso dos alemães no futebol europeu resvala na superficialidade e no exagero: do dia para a noite, viraram exemplos cabais de austeridade e organização. Nem parece que só agora se igualaram aos ingleses e aos espanhóis, apesar da economia alemã estar anos à frente. Na capa, matéria consistente sobre a obesidade adquirida em família através de genes e maus hábitos alimentares.

A IstoÉ estampa na capa Aécio Neves com pose de estadista e o muito velho e manjado discurso de eficiência e renovação. Na entrevista à semanal, o tucano traça como programa de campanha o enxugamento do Estado, a política externa sem alinhamento ideológico e a distribuição “mais justa” de recursos entre Estados e Municípios. De novo mesmo, nada. A revista também mostra a ascensão de Michel Temer como articulador geral da República, depois do sucesso em acalmar os ânimos entre STF e Congresso. Outra matéria exalta os bons resultados da educação pública em Foz do Iguaçu, com base em dados do Ideb divulgados há … 9 meses. Só um ligeiro atraso.
Abraços fraternos !!!