FRUET ANUNCIA QUE ASSUMIRÁ OBRIGAÇÃO DE BETO: A BRIGA DO SUBSÍDIO SEGUE

A população de Curitiba, através do erário municipal, vai pagar arcar com o custo para a manutenção da RIT – Rede Integrada de Transporte -, que atende os municípios da região metropolitana de Curitiba.

O sistema não é auto-sustentado, ou seja, não se mantém apenas com a tarifa que é cobrada e em razão disso tem que ser subsidiário e até agora o Estado do Paraná manteve o subsídio, que termina a partir do próximo dia 7.

Sendo assim, o prefeito Gustavo Fruet assegurou nesta sexta-feira (3) que, a partir do próximo dia 8, todos os usuários da Rede Integrada de Transportes (RIT) continuarão pagando a tarifa única de R$ 2,85, independentemente da definição do governo do Estado em relação à manutenção ou não do subsídio e renovação do convênio que garante a integração metropolitana.

Caso o convênio entre a Urbs e a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) não seja renovado até o próximo dia 7, a Prefeitura utilizará emergencialmente parte da arrecadação do ISS do transporte para subsidiar o sistema e manter a tarifa única por ao menos mais 30 dias, até que o governo se defina a respeito do assunto.

Legalmente, a responsabilidade pela gestão e manutenção do transporte intermunicipal é do governo do Estado, que a delega à Urbs por convênio. Por isso, a Urbs pedirá à Justiça autorização para subsidiar e continuar a operar o sistema.

A medida anunciada por Fruet beneficia usuários de 13 municípios da região metropolitana que compõem a Rede Integrada de Transporte (RIT). “O que queremos é dar segurança aos usuários. Temos que agir com responsabilidade. Não é possível o trabalhador sair de casa no dia 8 sem saber quanto pagará pela passagem”, afirma Fruet.

Atualmente, a Comec tem uma dívida de R$ 18,2 milhões com a Urbs, dos quais R$ 4,6 milhões se referem ao adiantamento que a empresa de Curitiba fez para complementar o valor original do subsídio criado em maio de 2012. Os R$ 13,6 milhões restantes decorrem de adiantamentos feitos pela Urbs por conta de acordo judicial firmado em agosto de 2012 pela Comec, Urbs e empresas permissionárias.

“Assumimos o sistema de transporte coletivo com enorme desequilíbrio econômico-financeiro. Estabelecemos uma tarifa que cobre os custos da capital. O que defendemos é que o governo do Estado mantenha o subsídio para os municípios da região metropolitana”, diz Fruet. O prefeito se disse “muito confiante na declaração do governador de que o convênio será renovado”.

O sistema metropolitano integrado transporta diariamente 460 mil passageiros por dia, dos quais 210 mil pagantes. Por mês, a RIT atende 25 milhões de passageiros pagantes, sendo 5 milhões da metropolitana. e 20 milhões na urbana (Curitiba).

Nada menos do que 73% dos passageiros metropolitanas têm acesso à RIT, que atende Curitiba e 13 municípios da região metropolitana..