BETO LIBERTA-SE DA HIPOCRISIA E FAZ EZEQUIAS SECRETÁRIO DE ESTADO

                                       

O Governador Beto Richa transferiu Ezequias Moreira de um cargo importante na Sanepar para a função de Secretário de Estado que, assim, passará a desempenhar a nova função de Secretário Especial do Cerimonial e Relações Internacionais no Palácio Iguaçu.

Ezequias cometeu um erro na vida, um erro sério, que foi o de ter a sua sogra nomeada em um cargo comissionado da Assembléia Legislativa sem que a senhora comparecesse no local de trabalho para dar a contraprestação pelo salário que recebia. Um daqueles muitos funcionários fantasmas do nosso legislativo. O caso acabou conhecido como o CASO DA SOGRA. Houve o flagrante, Ezequias foi processado. No aspecto da responsabilidade civil tomou a atitude de devolver o dinheiro, ressarcindo os cofres públicos. Na esfera criminal, consta que ainda responde a processo e não há sentença, de modo que, sob o aspecto técnico, não está impedido de exercer nenhuma função pública.

Juridicamente, Ezequias não está impedido de ocupar essa função pública. Tanto é assim que exercia até agora um cargo importante na diretoria da Sanepar. Se pode ocupar cargo de diretor na Sanepar, qual a razão que impede o Governador de nomea-lo como Secretário de Estado?

Então, os argumentos contra a nomeação são somente, e tão somente, de natureza moral e política.

No nosso sistema, quem tem a prerrogativa de avaliar a conveniência política para nomeações em cargos comissionados é só, e somente só, quem nomeia. Ninguém mais. Juridicamente, é uma decisão solitária e totalmente discricionária, para atender as conveniências políticas. Então, do ponto de vista político, a decisão é do Governador e caberá ao eleitor avaliar isso no momento próprio. Pessoalmente, creio que politicamente isso não tem nenhuma importância e não fará nenhum mal a imagem do nosso Governador. Nesse aspecto, o Governador já é suficientemente maduro para saber o que faz. Não precisa do meu conselho.

Resta então o juízo moral e vamos a ele.

Já no início dos anos 80, Ezequias Moreira, então Presidente da Juventude do MDB, era fiel escudeiro do Senador José Richa. O velho Richa tornou-se governador e Ezequias seguiu sendo uma pessoa importante, Presidente da Juventude do PMDB, e assim seguiu sendo. Fiel escudeiro. O velho Richa se foi e Ezequias tornou-se uma pessoa importante na vida política de Beto Richa, como seu assessor parlamentar desde os primeiros anos de mandato. Richa virou prefeito de Curitiba e Ezequias foi nomeado em cargo importante de assessor até que aconteceu o Caso da Sogra em 2007.

Então Ezequias vai para o degredo político. Ficou na Câmara de Vereadores de Curitiba até Beto Richa tornar-se Governador.  Como sempre fez, teve importante participação na campanha que elegeu Beto Richa Governador do Paraná e foi nomeado para um importante cargo na Sanepar em 2011.

Ezequias é, de longe, um dos quadros políticos mais qualificados na esfera de pessoas próximas a Beto Richa. Tem uma experiência política rara, conhece o quadro político do Paraná e do Brasil e as pessoas que atuam nele como poucos. É um dos poucos interlocutores que goza de respeito e credibilidade junto aos adversários do nosso Governador de Beto Richa. Sem nenhuma dúvida, ao não tê-lo no Palácio Iguaçu desde o início do governo o Governador perdeu em capacidade de articulação na sua própria base e de diálogo junto aos seus opositores.

Ezequias não pode ser crucificado moral e politicamente pela hipocrisia que tem permeado o nosso universo político e Beto Richa agiu dentro de padrões razoáveis.  Vai ganhar com a presença de Ezequias no Palácio.