A resenha das revistas Veja, IstoÉ e Época

O atraso da resenha se deve às minhas andanças pela Rússia, que ainda durará até o próximo dia 20.

Quando Veja se propõe a estampar um “ET” (extraterrestre) na capa, os editores dessa sacrificada resenha colocam se no direito de não analisar nenhuma das notícias !!!!

Passemos batido pelo esforço jornalístico e artístico da principal revista, e nos concentremos nas concorrentes……

Depois de três capas sobre manifestações e crise política, Época mostra que o fôlego rareou. A reportagem principal, que tenta descrever o novo “ativismo digital”, carece de brilho ao recuperar estatísticas antigas para fundamentar uma tese coerente, mas manjada: quanto melhor o nível socioeconômico e cultural de uma população, maior o nível de cobrança.

Já a matéria sobre o plebiscito exige, sensatamente, doses moderadas de populismo na aplicação da proposta brasileira – a revista resgata consultas mais maléficas que positivas, como nos EUA da década de 70, onde criou-se até a figura do coletor profissional de assinaturas populares. Felipe Patury garante que o ministro Paulo Bernardo entrou para o seleto rol dos conselheiros políticos de Dilma Rousseff… Para desespero de Beto Richa.

Reportagem irrelevante e pouco crível associa o tom de voz grave ao sucesso na carreira, incluindo áudios de executivos – com timbres bem distantes de tenores – que justificariam a tese. É por isso que Cid Moreira preside as organizações Globo. No mais, Egito, a guinada do capitalismo chinês, problemas na organização da Copa das Confederações… nada de exatamente bombástico ou empolgante.
IstoÉ trata na capa da carência de médicos no Brasil e defende abertamente a vinda de profissionais estrangeiros, diante do esperneio da classe mais corporativista do país. A matéria é bem construída – embora benevolente com as agruras da saúde pública – e recheada de dados que atestam a urgente necessidade de suprir a demanda de um país onde 15% dos municípios não têm um médico sequer. Outro sarrafo bem dado é descido sobre as entidades sindicais que organizaram greves e protestos oportunistas no embalo das manifestações espontâneas pelo país. De resto, aquele balanção sem sal dos fatos da semana.

Abs e sorte a todos !!!