A RESENHA DAS REVISTAS VEJA, ÉPOCA, ISTOÉ E CARTA CAPITAL

 

Veja chega hilariante e bizarra !!! Alguém ai sabia que a mãe do mais medíocre dos papagaios – a botocada e eterna cozinheira Ana Maria Braga – jamais teve celulites ou estrias? Pois Veja diz que sim em suas frases de destaque! E que o competente – e não menos performático e exibicionista técnico de vôlei Bernardinho – filiou se ao PSDB do Rio de Janeiro de olho na cadeira do bom malandro carioca e, nas horas vagas, governador Cabral? Pois Veja informa que é verdade na coluna Radar! A companheira do danado Cabral – uma “renomada” advogada – fatura por mês quase 200 mil reais ao prestar serviços para empresas ligadas ao governo fluminense! Basta procurar em Veja que vc encontrara ampla reportagem! Já o filho do Universal bispo Edir Macedo – de nome Moysés – aparece em foto sem camisa e com uma das mãos nas partes íntimas … e ainda posta no twitter que preferiria se chamar Lúcifer! Só pode ser coisa do demônio! Será mentira ou será verdade? Para quem quiser ver, Veja estampa na coluna Gente! Um psicólogo americano – também conhecido por Philip Zimbardo – diz a Veja que todos os humanos nascem com o mal enraizado em seus cérebros e não praticá-lo é só uma questão de autocrítica! Em seis das tradicionais páginas amarelas da semanal a psicanálise tenta revelar toda a maldade praticada no mundo. Uma jóia de fazer inveja a Freud e incomodar o mestre da sacanagem Maquiavel! Para completar a coleção de notícias excêntricas, na capa o perfil dos mascarados Black Blocs, também conhecidos por um bando de jovens sem nada para fazer a não ser depredar o patrimônio público e privado. E ainda voltam para casa sem levar sequer um chega pra lá das autoridades. Veja diz que os “manifestantes” se inspiram nos movimentos gringos … e o nosso Brasil do samba, das portentosas bundas e da malandragem desenfreada, que até para a baderna busca inspiração lá fora !

 

Capa - Edição 795 - Versão para o online (Foto: ÉPOCA)

 

Em edição bem chochinha, Época fala na capa da nova gama de gadgets, aplicativos para celular e sites que trazem informação aos borbotões sobre medicina e bem estar. É a atualização do “Dr.Google”, fenômeno que a rival Veja já havia abordado. A revista volta a falar do esquema de propina do PMDB na Petrobrás, mais para reavivar a repercussão da matéria anterior do que para trazer novidades. Também trata, em texto cansativo, da maracutaia na liqüidação do banco Cruzeiro do Sul. A matéria mais interessante mostra que cada emprego público criado cancela um privado, com base em estudo do FMI. Ou seja, para o glorioso oráculo do capitismo mundial nas décadas de 70 e 80, inchar a burocracia estatal mata a outra ponta que quer trabalhar. Uma boa reportagem é sobre o polêmico best-seller de iraniano radicado nos EUA, que descreve um Jesus Cristo menos zen e mais rock’n’roll.

 

 

A IstoÉ não cansa de se regozijar na lama do cartel do metrô de SP e, pensando ser  o Washington Post derrubando Nixon, alega ter desvendado “Todos os Homens do Propinoduto”. Matéria da capa e que indica os nomes dos supostos beneficiário da Treta do Metrô, com direito a foto na capa. Só figurões tucanos. A tentativa, mais uma vez, é vincular os servidores atolados no esquema ao primeiro escalão dos governos Serra e Alckmin. Além de alardear o suposto uso de dinheiro desviado em campanhas do PSDB, a começar por FHC. Verdade ou não, logo haverá quem defenda os tucanos e ataque os petistas, e depois vice-versa, como adolescentes discutindo futebol com argumentos pueris. Enquanto isso, raposas de todas as bandeiras seguem saqueando o galinheiro. Afora isso, merecem menção as reportagens sobre o crescimento das cervejas artesanais (que nos EUA já faturam 10% do mercado) e sobre a facilidade – já percebida por brasileiros – para comprar imóvel no exterior graças à burocracia reduzida e juros baixos.

 

Ruim para todos

 

Carta Capital não está distante das outras em material de água com açucar. A material da capa é uma comparação totalmente ininteligível do SUS com os planos de saúde, mostrando mais seus defeitos que suas virtudes – alias, a material deixa a impressão que não há virtudes nos planos de saúde, coisa da luta entre o bem e o mal que impregna a cabeça de alguns setores da esquerdinha brasileira -, como se eles tivessem alguma culpa pela falta de recursos e pelo caos que tem marcado o nosso plano de saúde público em diversos locais do Brasil, especialmente nos rincões, alguns deles bem retratados na material. Um texto sobre uma coletiva concedida por Ramon Hollerbach e Cristiano Paz, devidamente espinafrados por Joaquim Barbosa no julgamento do Mensalão com penas altíssimas. A dupla fez uma perícia onde demonstram, recibo por recibo, que o dinheiro da Visa NET, que sustentam ser privado e não público, foi parar nos cofres dos meios de comunicação e não foram desviados como insistentemente sustentou Barbosão. Prometem usar a documentação nos embargos infringentes. A revista também fez uma matéria sobre a tal Mídia Ninja (Narrativas Independentes, Jornalismo e Ação), onde ex-integrantes do grupo falam e condenam as práticas da organização. A material expõe uma certa face do movimento com práticas parecidas com as da Opus Dei, estilo “os extremos  acabam se tocando”. Descreve a relação do grupo com os partidos, suas ações e articulacões políticas. Nada que outros grupos missiánicos da esquerda e da direita já não tenham inventado mundo afora nos anos 60 e 70. Carta Capital também denuncia a armação para fazer manifestações contra Dilma no 7 de setembro e como  Marconi Perillo usa seu poder de governador para calar a mídia. Nada mais.

Boa semana a todos e divirtam se com as periódicas !!! Abs