VEJA QUEM É A NOVA “RALÉ BRASILEIRA”

Belo trabalho de redação de O GLOBO analisa resultado do verdadeiro perfil dos pobres do Brasil, gente esquecida atrás dos números de métodos de pesquisa anacrónicos, que agora é revelado em razão da aplicação da nova classificação socioeconômica do país. Números que nunca interessaram ao economicismo que impregna a mente dos economistas brasileiros desde sempre e que representam uma massa de pessoas que não é vista como classe (Gessé de Souza).

Nova pirâmide tem mais 16 milhões de pobres

Sérgio Vieira e Cássia Almeida, O Globo

Olhando para além da renda da população, a nova classificação socioeconômica do país, montada pelos pesquisadores Wagner Kamakura (Rice University) e José Afonso Mazzon (FEA-USP), leva em conta renda, escolaridade, posse de bens duráveis, acesso a serviços públicos, entre outros, num conjunto de 35 indicadores.

Esses novos critérios fizeram crescer a parcela dos pobres e extremamente pobres. Pelo modelo — que será usado a partir do ano que vem por empresas de pesquisa e publicidade para dirigir estratégias de venda — há um incremento de 13,94 milhões de brasileiros (7,3%), para 29,6 milhões (15,5%), na base da pirâmide social.

São pessoas que, com renda média familiar de R$ 854 (melhor que na classificação vigente), têm pouco acesso a bens duráveis e serviços públicos, além de menor escolaridade. Cerca de 60% desse estrato social têm apenas até três anos de estudo. E o número de banheiros por domicílio não chega a um.

 

Leia mais em Nova pirâmide tem mais 16 milhões de pobres