DILMA PÕE MICROSOFT EM PÂNICO COM E-MAIL DO SERPRO

Se rolar, a Microsoft terá perdas financeiras importantes no Governo Federal. Dilma que e-mail do SERPRO.
O Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro) apresentou nesta segunda-feira, 14, em Brasília, a plataforma que será disponibilizada aos órgãos do governo federal para aumentar a segurança de transferência de dados. Chamada Expresso V3, a tecnologia possui um serviço de e-mails criptografados – que protege a invasão de mensagens digitais – e deve ser implementada a partir de novembro. O objetivo é que ele abarque todos os órgãos da administração pública federal, o que inclui ministérios, autarquias e fundações.

A adoção de novas medidas de segurança ocorre na esteira de denúncias de espionagem por parte da Agência Nacional de Segurança (NSA), dos Estados Unidos. Segundo documentos vazados pelo ex-analista da agência Edward Snowden, os americanos espionaram diretamente comunicações da presidente Dilma Rousseff, da Petrobras e do Ministério de Minas e Energia. O diretor-presidente do Serpro, Marcos Mazoni, afirmou esperar que a Petrobras também adote a ferramenta.

A troca de dados do Expresso se dá dentre dos data centers do Serpro – localizados no Rio, em Brasília e em São Paulo, o que aumenta a segurança. “Temos a garantia de que o tráfego é altamente protegido”, avaliou Mazoni. Ele explicou que, com a plataforma, o envio e recebimento de informações se dá dentro da rede do Serpro – que é criptografada. Quando o e-mail é enviado a uma pessoa de fora da rede, por exemplo, há a possibilidade que a própria mensagem vá criptografada.

O V3 é a atualização mais recente do Expresso, gerido pelo Serpro desde 2007. Atualmente, parte da administração federal usa a versão V2 do sistema e sua atualização está prevista para começar em novembro. De acordo com Mazoni, que deu uma coletiva de imprensa nesta tarde na sede do Serpro, atualmente 70 mil funcionários federais usam o Expresso. Com a universalização para todas as unidades do governo, conforme quer a presidente Dilma, esse número subiria para 3 milhões, calcula Mazoni.

O objetivo é que até o final do primeiro semestre de 2014 a meta de universalização seja alcançada. Atualmente, usam a ferramenta de e-mails protegidos do Serpro alguns ministérios, como o do Planejamento e o da Fazenda; o Serpro é a empresa responsável por proteger os dados de contribuintes da Receita Federal. Parte da Presidência da República também já adota o sistema Expresso – embora Mazoni tenha afirmado não ser o caso do gabinete presidencial.

Quando a presidente envia uma mensagem oficial eletrônica, os dados são criptografados. No entanto, quando Dilma encaminha um e-mail pessoal, ela usa um serviço de e-mail operado pelo Outlook, da Microsoft, que é vulnerável. O diretor-presidente do Serpro afirmou não ter ainda previsão de quanto seria necessário de investimentos em infraestrutura para universalizar o Expresso no governo federal, mas ele previu uma redução de gastos com a não renovação de licenças dos atuais serviços de e-mail.

Nesta segunda-feira, o ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, afirmou que um decreto vai tornar obrigatório que o governo use e-mails criptografados do Serpro. O objetivo é evitar que autoridades sejam alvo de espionagem e o decreto vai estabelecer um cronograma para que todos os órgãos implantem o sistema. (SERPRO).