APENAS 10% DE APROVADOS NA OAB DE SÃO PAULO

Embora haja uma espécie de senso quanto a uma possível falta de qualidade dos nossos cursos de direito, que é confirmada pelos altos índices de reprovação dos bacharéis que querem advogar, e são barrados pelo exame da OAB, há quem argumente que as causas são mais profundas e estão ligadas aos sistemas se ensino que são praticados desde o jardim de infância e que fazem que quando o estudante chegue à universidade não se pode fazer quase mais nada.
Simplesmente os estudantes não aprendem a pensar, ou melhor, aprendem a não pensar. Vivem aprisionados a sistemas de “decoreba” onde o objetivo é decorar para passar de anos e no vestibular. Vão ficando cada vez mais idiotas e especialistas, perdendo a capacidade de uma boa compreensão do mundo e não adquirem o hábito de resolver os problemas através do raciocínio, pois tudo é decorado.
Uma bela contribuição para esse debate vem nas obras do Prof. Pierluigi Piazi, que em 3 livros publicados pela Editora Aleph oferece argumentos para quem quer ir além do senso comum.
Um retrato do problema é o resultado do último exame da OAB/SP.
De acordo com os resultados preliminares do XI Exame de Ordem, o Estado de São Paulo teve 2.148 aprovados no XI Exame de Ordem. O índice de aprovação foi de 9,77%, sendo que, dos 21.960 candidatos inscritos, 2.148 tiveram sucesso. O resultado final, com a avaliação dos recursos, será divulgado no dia 19 de novembro.
“O índice de aprovação pouco inferior a 10% reforça o alerta que a OAB-SP faz, repetidamente, sobre a qualidade dos cursos de Direito, que passaram por um amplo crescimento nas últimas décadas, sem a preocupação em formar adequadamente os bacharéis. O Exame de Ordem exige conhecimentos mínimos para que o futuro advogado não coloque em risco os direitos dos clientes”, avalia Marcos da Costa, Presidente da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil Seccional São Paulo).
Entre os 33 municípios em que as provas de primeira e segunda fases foram aplicadas, as cidades de Franca, Dracena e São João da Boa Vista foram as que tiveram melhores índices de aprovação: 25,2%, 14,18% e 13,64%, respectivamente. Taubaté e Guarulhos ficaram empatadas com os piores índices (6,42% nos dois casos), seguidas de Assis (6,43%) e São Bernardo do Campo/São Caetano do Sul (6,77%).
Na capital, foram 8.075 inscritos para o XI Exame de Ordem, sendo que 753 conseguiram a aprovação, resultando em índice de 9,33%. Estes índices de aprovação levam em conta o total de inscritos, sem reduzir este número em caso de abstenção. As inscrições para o próximo Exame terminam nesta quinta-feira (14/11).