DEVOLUÇÃO DE 200 MILHÕES DA ALEP: DISTORÇÃO NO PLANEJAMENTO?

Na última quinta-feira os dirigentes da Assembléia Legislativa do Paraná levaram ao Palácio um cheque simbólico de R$ 200 milhões, cujo valor representa as economias feitas pela Casa durante este ano.

Este é o terceiro ano em que os deputados repetem o gesto. Em 2011, entregaram R$ 90 milhões, e R$ 110 milhões em 2012. A previsão é de que, em quatro anos, a Casa atinja a marca de R$ 500 milhões devolvidos ao governo.

Aquilo que começou como um bom exemplo, construído a partir das ações desencadeadas com a assunção de Valdir Rossoni à Presidência da ALEP, já vai se tornando uma coisa estranha.

Se tem que devolver, porque é que pegou? Vão transformando um bom exemplo em falta de planejamento. Se há essa economia pelo terceiro ano consecutivo, o que é bom, qual a razão de não se projetar isso no orçamento, evitar que a ALEP bloqueie esse dinheiro no seu orçamento por 1 ano e, assim, impedir seu uso em outras atividades essenciais do Estado com maior celeridade? Nessa toada, aquilo que é um bom exemplo (economia) vai se tornar exemplo da falta de planejamento, incompetência na organização do orçamento e, o que é pior ainda, demagogia.

Alep devolve 200 milhões ao Poder Executivo. Fotos: Nani Gois (Alep / crédito obrigatório)

“Entregamos ao governador os recursos economizados durante o ano. Isso representa 40% do orçamento da Assembleia. É fruto do trabalho, desde o início da gestão, que fizemos a partir da reforma administrativa. Demos esta demonstração de que é possível economizar recursos nos poderes. Fico feliz, estamos fechando o ano com chave de ouro, dentro da meta da Comissão Executiva”, afirmou Valdir Rossoni (PSDB), presidente do Legislativo.