VOTO FACULTATIVO RESULTA EM COMPARECIMENTO BAIXO NA ELEIÇÃO CHILENA

Ao observar o baixo comparecimento de eleitores hoje (15), no segundo turno da eleição presidencial, a deputada chilena Camila Vallejo manifestou-se hoje (15) favorável à volta do voto obrigatório no país. A votação deste domingo foi a primeira com participação livre do eleitorado.

Depois de votar, a deputada do Partido Comunista disse à imprensa que é normal pouca gente ter comparecido às urnas e que, por isso, é partidária da inscrição automática e do voto obrigatório. “Novamente um respaldo e apoio a este projeto da Nova Maioría que já se viu nas primárias e que se viu também no primeiro turno”, disse Camila, cuja carreira começou no movimento estudantil.

A proposta de Camila foi aprovada pelo ex-presidente chileno Ricardo Lagos, que fez um apelo aos cidadãos para votar e disse que foi um erro apoiar o voto facultativo. “Em um momento, fui partidário do voto voluntário”, mas pensei, meditei e me dei conta de que é um erro, que creio estar demonstrado”, disse Lagos.

Segundo ele, votar é um direito, que, no fundo, também é uma obrigação. “Pense cinco minutos que é o melhor para o Chile e, de acordo com isso, vote”, concluiu o ex-presidente.

Duas mulheres disputaram o segundo turno da eleição presidencial: Michelle Bachelet, da Nova Maioria, que governou o país de 2006 a 2010 e ficou em primeiro lugar na primeira rodada de votação, e a ex-ministra do Trabalho e Previdência Social Evelyn Matthei, da Aliança pelo Chile.

Assim como foi feito no primeiro turno, em novembro passado, o governo disponibilizou transporte gratuito – 1.300 serviços – para facilitar a participação dos eleitores, principalmente dos que vivem em zonas rurais isoladas. Segundo a ministra dos Transportes, Gloria Hutt, a medida beneficiaria mais de 50 mil pessoas que vivem em lugares distantes ou de difícil acesso. Os locais de votação foram os mesmos do primeiro turno (Agência Brasil).