ANDRÉ VARGAS DEIXA O PT PARA DEFENDER-SE. PRECEDENTE DE LERÉIA AJUDA.

Embora não tenha sido objeto de nenhuma denúncia formal na Justiça e sequer haja notícia de que esteja sendo formalmente investigado, o mundo caiu sobre o deputado Federal André Vargas antes mesmo que tenha sido julgado nas instâncias institucionais.

O vazamento de trechos de conversas que manteve com o doleiro Alberto Yuossef produziu um julgamento público pela mídia cujo resultado ainda está longe de se reproduzir nas instâncias institucionais (Justiça e Câmara dos Deputados).

Depois de renunciar à vice-presidência da Câmara dos Deputados, quase renunciar ao mandato de deputado, o deputado agora pediu desfiliação do PT, e isto com o objetivo de se defender perante a Comissão de Ética da Câmara.

Assim, nesta sexta-feira (25) o deputado André Vargas (PR) pediu a sua desfiliação do PT, após 24 anos de filiação à legenda. Vargas encaminhou ofício ao presidente do Diretório Municipal do partido em Londrina, Gerson da Silva, para comunicar a decisão.

Vargas, que era vice-presidente da Câmara, vem respondendo a processo de cassação do mandato no Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara, por envolvimento com o doleiro Alberto Youssef, preso pela Polícia federal na Operação Lava Jato.

Em nota, o deputado informa que comunicou oficialmente ao PT o desligamento após 24 anos de uma relação que lhe concedeu oportunidade de servir ao seu estado e ao Brasil. “Deixo registrado o meu sincero agradecimento”. Agora, sem partido, Vargas, que ainda está licenciado da Câmara, vai procurar se defender no Conselho de Ética.

“Sem partido, irei dedicar-me agora à minha defesa no Conselho de Ética da Câmara, confiante de que me serão asseguradas as prerrogativas do contraditório e da ampla defesa. Confio na isenção, imparcialidade e tratamento isonômico da Câmara em relação ao meu caso, reafirmando a minha crença na democracia e no Estado de Direito”, disse.

O precedente do Deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB), recentemente consolidado na Câmara dos Deputados, cujo nome foi flagrado em conversas do bicheiro Carlinhos Cachoeira, ajuda e dá esperança a Vargas.

Carlos Cachoeira e Carlos Leréia

PLENÁRIO APROVA SUSPENSÃO DO MANDATO DE LERÉIA POR 90 DIAS

O Plenário aprovou, por 353 votos a 26, o parecer do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar que recomenda a suspensão, por 90 dias, do mandato do deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO).
Leréia foi condenado pelo conselho em setembro de 2013, devido a relações de amizade com o contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, investigado pela Polícia Federal. O parecer do deputado Sérgio Brito (PSD-BA) foi acolhido após os conselheiros terem rejeitado outro parecer, do deputado Ronaldo Benedet (PMDB-SC), que recomendava a perda de mandato.
A suspensão do mandato passa a valer a partir da publicação de uma resolução no Diário da Câmara incorporando a decisão do Plenário. O deputado suspenso ficará sem salário, cota parlamentar ou verba de gabinete. Todos os funcionários do gabinete perdem o cargo assim que a decisão for publicada.
Nenhum suplente assume o mandato durante o período de suspensão. Isso somente poderia ocorrer se a suspensão fosse maior que 120 dias.