IBOPE: APESAR DA TORMENTA PASADENA, DILMA AINDA GANHA NO PRIMEIRO TURNO

Apesar da pancadaria de Pasadena, ininterruptamente no ar nos últimos 25 dias, a Presidente Dilma ainda resiste à frente das intenções de voto no mais recente levantamento do IBOPE, para o Estadão e para as Organizações Globo, e ainda ganha no primeiro turno em todos os cenários.

A pesquisa foi feita entre dias 10 e 14, consultados 2.002 eleitores de 140 municípios em todas as regiões do país e a margem de erro é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

O levantamento pegou todo o período de maior desgaste de Dilma com o caso Petrobrás, absorvou totalmente todos os efeitos do caso Mensalão, do confronto com o líder do PMDB e do caso do petista André Vargas.

O levantamento abrangeu o período de exposição de Campos e Marina na TV, mas não pegou o período de exposição de Aécio na TV e nem os depoimentos de Graça Foster e Nestor Cerveró no Congresso Nacional, onde restou esclarecido que Dilma não tomou conhecimento de todos os termos do contrato da compra de Pasadena.

Tais circunstâncias ajudam na reflexão sobre os números e é importante ter em mente que a eleição ainda está longe e que outros eventos poderão produzir alterações nos resultados, para o bem e para o mal.

Dilma Rousseff (PT) caiu se 40 para 37% nas intenções de voto da última para a mais recente pesquisa do Ibope, divulgada nesta quinta-feira (17), quando os nomes dos candidatos são apresentados aos consultados.

Em março, estava com 40%.

Aécio Neves (PSDB-MG) foi de 13% para 14%, Eduardo Campos (PSB) ficou nos 6%. O pastor Everaldo (PSC) recuou de 3% para 2%. Denise Abreu (PEN) e Randolfe Rodrigues (Psol) têm 1% cada, José Maria Eymael (PSDC), Levy Fidélix (PRTB), Mauro Iasi (PCB) e Eduardo Jorge (PV) não pontuaram.

Entre o “trio de ferro”, Dilma vai de 43% para 39%. Aécio sobe de 15% para 16% e Campos, de 7% para 8%. A taxa de votos em branco ou nulos passa de 25% para 26%.

24% dos eleitores refelaram a intenção de votar em branco ou nulo e 13% disseram não saber em quem votar.

Quando Campos é substituído por Marina Silva, seu eterno fantasma, Dilma vai de 40% para 37%; Marina, de 9% para 10%; e Aécio, de 13% para 14%; pastor Everaldo 2% e a soma dos demais candidatos cresce de 1% para 3%.

Na espontânea, Dilma tem 23%; Aécio tem 7%; Luiz Inácio Lula da Silva 6%; Marina 4%; Campos 2%; José Serra 1%; os outros candidatos 2%. Brancos e nulos 19% e 37% não sabem ou não responderam.

Num eventual segundo turno Dilma ganha em todos os cenários: 43% a 22% contra Aécio; 41% a 25% contra Marina; 44% a 17% contra Campos.

O Ibope faz a ressalva de que são altas as taxas de “não-voto” (brancos, nulos e que ainda não sabem).