REQUIÃO RECORRE À EXECUTIVA NACIONAL; PEDIRÁ A EXPULSÃO DOS INFIÉIS NA JUSTIÇA ELEITORAL

A Executiva Estadual do PMDB fez constar na ata da sua última reunião uma decisão “flexibilizando” as regras para a participação de candidatos do partido a deputado estadual e federal na campanha eleitoral no Paraná de 2014.

Na prática, o texto permite que os candidatos do PMDB nas eleições proporcionais participem de eventos e subam no palanque ao lado dos candidatos de outros partidos, como do PSDB do governador Beto Richa, por exemplo, apesar do candidato da legenda ao cargo ser o Senador Roberto Requião.

A decisão garante que eles só ficam impedidos de pedir votos para Richa.

Diz, literalmente, o texto da ata que: “Em havendo coincidência de agendas, aos candidatos a deputado estadual e federal do PMDB que sejam apoiados por lideranças de outros partidos/coligações, diversos do PMDB, ficará assegurada a participação em eventos políticos, comícios, reuniões e afins, promovidos por essas lideranças, ainda que os mesmos contem com a presença de candidatos às eleições majoritárias que não sejam do PMDB, desde que o candidato a deputado estadual ou federal não peça votos para aquele”.

Ou seja, a decisão da Executiva Estadual abre as portas da infidelidade partidária contra Requião, que já recorreu da para a Executiva Nacional para cassar o ato e promete ir à Justiça Eleitoral pedir a expulsão dos infiéis na medida em que a decisão é ilegal, pois uma decisão interna do partido não pode revogar o texto da Lei Eleitoral e Partidária, que impõem a fidelidade partidária.

Na Executiva Nacional cogita-se, inclusive, de intervenção na direção local do partido na medida em que a decisão contraria também a deliberação da Convenção Estadual que indicou um candidato do partido, ao qual todos os filiados devem fidelidade, sob pena de expulsão e perda do mandato.